14.2.13

O Cupido mora lá em casa...

Neste dia dos namorados já vi de tudo... Flores em mãos de adolescentes nervosos, corações pendurados nas montras por onde passei, vendedeiras que apregoam "rosas vermelhas apaixonadas" e aviões que levam namoros de longe...
A rádio é invadida por música melodiosa que podia ser a banda sonora de qualquer refeição à luz das velas e até vai haver o maior beijo do mundo, imagine-se!



É um dia muito especial para todos os apaixonados, 14 de fevereiro, dia dos namorados. Dizem que há dias para tudo e para agradar a todos, para a publicidade mostrar o que vale e aumentar as compras nas vésperas deste dia. 
Mas afinal para que serve este dia? No meu entender pode ser um dia como os outros, como tantos tentam afirmar, mas é muito mais do que isso!
Numa sociedade em que se liga tão pouco aos afetos este dia vem recordar que estar enamorado é possível. Só quem o sente verdadeiramente não deixa passar em branco tal data.

Quando digo estar enamorado, efetivamente penso numa cara metade que nos faz feliz, mas pode muito ultrapassar essa barreira... Enamorado é viver em namoro, estar a descobrir, ter uma paixão!

O símbolo deste dia é o cupido (acredita-se), que lança setas e faz com que muitos casais se apaixonem... Mas, sabem? O Cupido mora lá em casa e também fez com que me apaixonasse! :)


30.1.13

Depois ou antes de tudo...

As coisas na nossa vida fluem tão rapidamente que às vezes o tempo, aquele "tic-tac" dos ponteiros do relógio, passa sem dar por isso...
Passou-se o advento, entrámos na quadra de Natal, vivemos em esperança de variadas formas e entrou 2013. Estamos quase no fim do mês, que dizem os estudiosos ser o mais depressivo do ano, janeiro.

Bom ano novo para todos! :)

Em trabalho de reportagem e, à espera do entrevistado, dei com o presépio que deixo a foto. Pode-se perguntar o significado, ver de mais perto ou imaginar como o Menino Jesus estaria contente em cima de pipocas, mas é muito mais do que isso!

Este presépio feito com espigas, milho e pipocas foi idealizado com as memórias da época da II guerra mundial, quando a fome em portugal era "apagada" com o milho transformado em pão ou broa.
Em nova época de crise a ideia foi recordar o milho que pode ser semente e dar frutos. Tal como a família de Nazaré também foi semente que deu frutos de Amor.


No fim de janeiro, um mês depois do natal, uma imagem como esta ainda dá que pensar...


13.12.12

Silenciar

Começa por serenar o coração.
Há quanto tempo não há silêncio dentro de ti?

Uma vida sem silêncio dificilmente consegue falar, pois é no silêncio que são tecidas as palavras, quase ao modo de filigrana, unindo cada fio de relação, de encontro, numa pequena “teia” que se configura como uma peça de ‘arte’, a arte de ser…por inteiro…por dentro…para todos…com todos. (p. Luis Miranda)


Assim é mais um dia de advento em que me sinto silenciosa "por dentro"... Li este trecho e gostei...

Costumo dizer que sou uma "sortuda" porque passo os dias a "ouvir pessoas" mas o silêncio faz-me tanta falta! Este silêncio que é descrito... 

7.12.12

Onde está a diferença?


Lisboa, 06 de dezembro, 13h05, estava a chover. 
Faço sinal a um taxi que está estacionado e o taxista, a jogar "paciências" com um baralho de cartas, faz-me sinal para entrar.


Entro no táxi e recebo um simpático "boa tarde", a que respondo e peço para me levar ao meu destino. Ouço um rol de preocupações e nervosismos porque há meia hora estava o táxi impossibilitado de sair do estacionamento. Tinha havido um fogo num prédio ali ao lado, o carro dos bombeiros esteve lá e a polícia bloqueou a circulação.

Percebo, no seu falar arrastado, que há algo de diferente. Ele coloca uns óculos bem graduados, liga o motor, acende o pisca e lá vamos nós calmamente. No meu pensamento surge a dúvida se ele será mesmo o taxista daquele carro (dúvida estúpida da minha parte) mas lá sigo "com o coração nas mãos". 
Olho pela janela e a chuva não me deixa ver nada. Olho para dentro do táxi e o jovem conduz com uma das mãos, levando na outra o tal baralho das cartas. Fez-me confusão...

Silenciei-me para que fosse concentrado na condução e já estávamos perto do destino quando me perguntou onde queria ficar. Dei a indicação e perguntei há quanto tempo era taxista.
Respondeu que conduzia o carro há 16 anos, ele fazia de dia e o patrão de noite. 
"Sim, porque eu não devo ser tão novo quanto a menina pensa!!", gracejou. 

Na verdade tem 36 anos e é portador de Trissomia. Naqueles escassos 20 min do advento aprendi uma lição de vida, uma força brutal nas palavras e nos atos, uma simpatia de um "boa tarde" ou "qual o seu destino"... Numa pessoa que vi diferente e me assustou, vi a esperança no olhar e a alegria do serviço.
À saída do carro, depois de criteriosamente me passar a fatura e fazer o troco, desejou-me "Boas Festas" com o maior dos sorrisos que já vi! Do medo passei à admiração! Afinal, onde está a diferença? :)

3.12.12

A espera...



O advento deste ano será aqui: http://imissio.wordpress.com/

Um espaço em rede onde, cada dia, terás uma reflexão de advento... Não vais querer perder... por Ele vai (re) nascer em ti (e em mim)!!!

29.10.12

Mil palavras...

O fim-de-semana serve para tanta e tão pouca coisa... Descanso, passeio, almoços e lanches demorados, visitas regressando no tempo e sofá bom e quentinho.
O frio tem destas coisas boas e a manta chama por nós nas noites... Mil palavras foi o filme eleito para descansar de uma semana de trabalho. 

"Mil Palavras narra a história de Jack McCall, um homem que descobre que tem somente mais mil palavras para falar antes de morrer." Tal frase questionou o mais íntimo de cada um de nós e Eddie Murphy aguçou-nos a curiosidade para um serão divertido e despreocupado.

Ao que pensámos ser "só um filme" de risotas e comédia levou-nos a pensar muito mais além, a falar do filme pelas horas dentro e dar ainda mais valor ao que temos. Palavras leva-as o vento era o subtítulo que daria a estes 90 min de filme.
Eu, "uma cidadã das letras e palavras", levei um bálsamo deste filme, nada que já não soubesse, mas muito do que me esqueço e o mundo me faz esquecer. Gosto do meu silêncio, que incomoda tanta gente, eu cá gosto... Porque ouço palavras muitas horas por dia!

As palavras que tantas vezes proferimos sem nos darmos conta, palavras e mais palavras que usamos quase como algo corriqueiro, palavras que perdem valor e são ditas sem qualquer pensamento ou afecto. No decorrer do filme vamos pensando como é bom saber valorizar cada momento, mesmo sem palavras, e não deixar passar o "comboio da vida"... Na linha dos sentimentos, quase não é preciso palavras! 

O filme fala por si... Se ainda não viste, não percas!

4.10.12

Recomeços de vida


A Liliana tem 15 anos e uns olhos verdes de qualquer rapaz da sua idade reparar... Tem os sonhos de uma adolescente normal, adrenalina típica de um turbilhão de hormonas e uma alegria fora do comum.
voo-branco-setembro
Há 4 meses sofreu um AVC e os olhos verdes deixaram de ver, pararam. Deixaram de olhar mais longe, deterem-se em cada pormenor ou lerem mensagens de amor. Os planos de 15 anos parecem agora esbatidos e mergulhados nas águas do escuro que lhe roubam a visão.
Mas não se detém! Não para perante a adversidade e recomeça todos os dias. A cada hora faz uma descoberta, retoma um caminho, confia na mão de um desconhecido e recomeça a acreditar mais em si. Cada dia um novo recomeço.
RECOMEÇAR é o verbo que mais é conjugado na vida de Liliana. E na tua vida?
Nesta época do ano é tempo de recomeços, da escola, do trabalho, da música, piscina, ginástica, inglês ou futebol... Recomeça a agitação nas ruas da cidade, nos transportes, nas notícias, recomeça o ritmo de quem procura emprego, recomeça a vida numa gravidez desejada e recomeçam os sonhos de tantos neste outono que se vai impondo.
Recomeçar não é um ato de quem não fez ou não aprendeu algo mas sim, uma ação dos fortes! Veja-se o exemplo de Liliana que hoje inicia uma nova vida ao recomeçar no meio da adversidade.
Recomeçar a aproximar-te de Deus é possível, não deixes que a tua cegueira vença!

20.9.12

God Bless You!

Hoje partilho mais um acontecimento real, passado ao fim de tarde, num autocarro da capital. A tarde estava de calor, o transporte bem composto e os meus olhos pesavam do cansaço de mais um dia de correrias, conversas, gravações, telefonemas, emails e afins...

Como sempre, entrei e sentei-me nas calmas. Três paragens a seguir entrou uma Irmã (freira, entenda-se) de hábito branco e lenço preto com uma mala tipo trolley. A mala do mais engraçado que já vi e que me prendeu logo o olhar. Junto às rodinhas umas luzes amarelas e vermelhas reluziam pelo chão acinzentado do autocarro. Fez-me sorrir!

E pensei como é bom ver cores no meio do cinzento... Já o meu pensamento ia avançado nesta reza da vida quando vi 3 rapazes, dos seus 20 e poucos anos, com ar estrangeiro entrarem no dito autocarro.

Loiros, os três de calções e um lenço bem amarrado no cimo da cabeça: amarelo, azul e vermelho, respetivamente. Fizeram-me lembrar as imagens dos hippies em loucos anos 60. Curiosamente colocaram-se de pé junto à irmã. E eis que à minha vista surgia uma verdadeira foto repleta de ideais, crenças, diferenças e contradições.

Mas o inesperado acontece! Na paragem do Terreiro do Paço a irmã resolve sair e a mala parecia estar mais pesado do que quando entrou. Fez o movimento para a levantar e uma travagem mais brusca leva ao desequilibrio que culmina nos braços do "jovem hipie"... Riram os dois!

Sorrisos trocados e seguiu-se uma disponibilidade pronta da parte do jovem que pegou na mala e a transportou para fora do autocarro.

A irmã abriu o sorriso e do lado de fora do autocarro gritou: God Bless You! A que o jovem respondeu com um sorriso e um adeus sentido.

Mundos que se cruzaram num simples ato de ajuda e onde os sorrisos quebraram o gelo que tantas vezes é barreira. Barreira que começa logo no exterior!


29.8.12

A caminho, sempre!


O blog não parou e continua a caminho... Aqui partilho: eu mesma consegui repetir a proeza de quase 120km de mochilinha às costas... Calor, chuva, vento e muito mais acompanharam a peregrinação até S.Tiago. 

A foto mostra muito pouco daquilo que foram 5 dias de contemplação e, que ansiava, serem de paragem. É verdade, pode-se parar a caminhar!
Par(AR) era a palavra que transportava no meu bolso mais pequeno. Ar era outra que me incentivava, ganhar ar, ter ar, respirar novo ar, tudo isto precisava...

"Silêncio e palavra", que tantas vezes ouvi, li e reli agora ia fazer sentido!

Um grupo pequeno, familiares, amigos e desconhecidos que passaram a amigos. O caminho tem destas coisas, surpresas e discernimentos. Os dias eram longos, as madrugadas custavam e o fim do dia pesava em cada perna. Mas em cada hora perguntava-me porque ali estava...

Porque me tinha colocado, novamente, naquela situação desconfortável, de cansaço e loucura, de mistura de emoções, risos e choros, contemplação, novidades e recordações? Porquê?
Nem tudo faz sentido e o caminho foi a fuga, a fuga para me sentir, ouvir e carregar. O caminho é como a nossa vida e ali fez-se realidade. 

Também na vida estamos sempre a caminhar e não paramos! Muitas vezes caminha-se sem sentido ou sem saber para onde se vai!

Desta peregrinação veio ''o balão cheio'' e que espera esvaziar muito pouco de cada vez. Vieram novas realidades e uma fé renovada, com missões a palpitar e ideias que não param de martelar cá no íntimo.

Na vida precisamos destas paragens para abastecer e sentir o caminho, encontrar as curvas e não parar a qualquer sinal menos bem disposto!

Tenho de ter sempre em conta que, também na vida, há sempre os que caminham ao meu lado, os ''cajados'' que nos seguram, as ''vieiras'' e as "setas" que nos indicam e aconselham o caminho, as "fontes" que nos refrescam e as "pedras" que se transformam em degraus.



16.4.12

Dia Mundial da Voz



E porque hoje é o dia deste instrumento... há que dar valor!


Beber muita água, "bebericar" como hoje ouvi, não fumar nem estar em ambientes de fumo, não gritar nem esforçar a voz podem ser conselhos para quem usa este instrumento no seu dia a dia.


Sempre lhe dei valor, uso-a todos os dias... mesmo que não trabalhasse em comunicação acho que é dos maiores dons que podemos ter, ter voz!


Mais aguda ou mais grave, mais estridente ou harmoniosa, serve para comunicar em qualquer lugar, com qualquer pessoa, em várias linguas. E se pela boca morre o peixe, o ser humano também pelas "bocas pode morrer". Todo o cuidado é pouco quando a língua é afiada, porque "o silêncio é de ouro"! :)


Mas porque quem tem "boca vai a Roma" continuo a gostar de usar a minha voz para fazer parte da minha comunicação, seja via pessoal, telefone ou rádio... E é tão bom quando ouvimos uma voz especial! Numa música, numa mensagem, num elogio, num sussurro...


A voz, esse instrumento tão importante, tem hoje o seu dia! Vale a pena lembrar! :)



13.4.12

É isto a Páscoa!



Aleluia! É mês de abril e tempo pascal! Para quem não sente esta dádiva não compreende a alegria com que falo! E este vídeo que hoje aqui deixo expressa como as crianças veem a Páscoa, algo tão difícil de explicar para tantos!




Viver o tempo de Páscoa é deitar fora correntes de más caras, tirar amarras de culpas, fios que entrelaçam rancores e cabos prendem a verdadeira alegria da liberdade.



Viver a Páscoa em família é sempre nesta alegria, de convívio fraterno, este ano recheado de encontros (e alguns desencontros) com quem gostamos e nos sentimos bem. Falar com os mais distantes, regressar às origens e ser acolhidos, promover encontros, sentir a alegria da manhã de domingo de Páscoa e cantar "ressuscitou" à porta de casa.



Tudo se pode escrever e descrever mas, sentir... nem todos o conseguem! Tenho a graça de (vi)ver esta alegria porque, depois de uma quaresma sentida, trabalhosa e dura, faz-nos bem renascer para a vida nova.



Afinal é o que diz o filme... "pediu que se lembrassem d'Ele"! Assim vamos fazendo a cada dia, celebrando o dom da vida e da vida em abundância! :)

30.3.12

Março, marçagão...

Em reta final para este mês que costumo dizer ser o ''mai lindo'' do ano!




31 dias de plenas horas que me envolveram em ritmo alucinado, normalmente em quaresma. 31 dias de tempo bom, e este ano otimo. Dias que anseiam dia da mulher, dia do pai, chegada da primavera, aniversário e feira de março.




Este podia ser mesmo o número de março: um verdadeiro 31. Acho que aconteceu de tudo por estes lados da capital e este tempo forte que queremos uma nova versão de nós próprios marchou a batida alterada.




Valha-nos os encontros à volta da mesa, quase entre desconhecidos mas unidos em missão. Valha-nos o sentido de comunidade que presenciámos de forma tão especial!

Valha-nos a serenidade escondida lá no fundo, em reserva, valha-nos os alentos vindos de fora e valha-nos o bom humor que cultivamos a cada minuto.




Desabafos... simples coisas escritas para aliviar os dedos, a alma e o coração. No próximo domingo celebra-se a juventude e é domingo de Ramos. Há dois anos estava em Roma e o sabor mantem-se!


Com este dia inicia-se outro mês, que não é mentira! E a semana santa. E a festa da Páscoa está próxima! :)

8.3.12

Ser mulher...

Neste dia dedicado a todas as mulheres! :)




Ó Mulher! Como és fraca e como és forte!

Como sabes ser doce e desgraçada!

Como sabes fingir quando em teu peito...

A tua alma se estorce amargurada!


Quantas morrem saudosa duma imagem

Adorada que amaram doidamente!

Quantas e quantas almas endoidecem

Enquanto a boca rir alegremente!


Quanta paixão e amor às vezes têm

Sem nunca o confessarem a ninguém

Doce alma de dor e sofrimento!



Paixão que faria a felicidade.

Dum rei; amor de sonho e de saudade,

Que se esvai e que foge num lamento!





Florbela Espanca - Trocando olhares

24.2.12

Em quarentena...






Na impossibilidade de escrever aqui em quarta-feira de cinzas... venho hoje a este espaço. Hoje, primeira sexta-feira da quaresma, é um dia em que se fala de jejum, de peixe, abstinência, recolhimento...


Nos últimos dias fui abordando estes temas com várias pessoas, ouvi falar de quaresma, partilha de vivências e reflexões em tons de roxo.


Escutei que a quaresma é como um "estágio para o grandioso jogo da Ressurreição", que a "música pode ser a voz de Deus"... (Rão Kyao)


Num tempo que é pedido para olhar para o outro, ouvi falar de economia, sinónimo de lucro, e percebi "que é possivel ter lucro a olhar para o outro". (João César das Neves)



Este tempo forte também pode sublinhar o silêncio e o recolhimento, "numa sociedade tão ruidosa, é preciso ter tempo para parar e saborear o silêncio, o estar sossegada". Ler um bom livro ou simplesmente estar em silêncio para me conhecer a mim própria pode ser um desafio... (Alice Vieira)


A música está sempre presente na relação com Deus e o fado não pode deixar de percorrer este caminho... "Cantar o fado pode ser a minha missão... cantar sentimentos que chegam aos outros e lhes dizem alguma coisa, lhes tocam..." Eis outra forma de chegar ao outro. (Cuca Roseta)


O retiro e a contemplação podem tambem ser o caminho... "Apesar de cantar muito, na quaresma gosto de cantar com o coração". Será que somos capazes? (Frei Hermano da Câmara)


Vivências diferentes, conversas demoradas e que muito pude saborear... Em preparação para este tempo e já nos primeiros dias guardo cada minuto destas partilhas... Pessoas que acreditam no mesmo, vincam a alegria da Ressurreição e "dão a volta" a 40 dias de aproximação a Deus e aos outros...


Nesta 1ª sexta-feira fica aqui a reflexão... fica aqui o que me vai na alma e no coração acinzentado... Tantas dicas e partilhas de outros, tantas formas de viver, que eu, e cada um, consiga encontrar o melhor caminho até à Páscoa.

20.2.12

A bom ritmo

Depois de dias cheios eis-me aqui a escrever... Cheia de histórias e estórias para contar... em montanha russa contra o tempo mas cheia de tempo e intensidade de minutos recheados de nomes conhecidos...


Foi dia de São Valentim e os namorados fizeram-se notar... Eternos namorados todos aqueles que, casados ou não, conseguem viver o sentimento maior... Este meu dia iniciou de forma melódica com uma entrevista, que mais parecia uma conversa amistosa, com um músico e compositor português, Rao Kyao. O som da sua flauta pautou este dia que terminou em forma de Cupido!



E a semana não parou... Mais se seguiram que ficarão para novos posts... O fim de semana teve bom sabor e a serenidade desejada... E por estes dias de Carnaval resta a lembrança de dias de folia e o ritmo da música carnavalesca a soar a qualquer altura...



Sempre gostei de alegria e folia... Sempre gostei de me mascarar e dançar... Toda a mística de Carnaval que se vive em amizade nos deixam motivos para avançar todo o ano...


A música, o calor, as cores, as máscaras, o ambiente, os risos, os disfarces, as serpentinas e confettis, a pintura ou o adereço... Em "tempo de cabeças cabisbaixas" é bom esquecer tudo e soltar a gargalhada, a princesa, fada ou bruxa, arlequim ou palhaço que há em cada um de nós... nem que seja só 3 dias por ano... Like! :)


8.2.12

50 anos de história...

Navio-escola Sagres comemora hoje 50 anos ao serviço da Marinha portuguesa





O navio-escola Sagres comemora 50 anos ao serviço da Marinha portuguesa. A data vai ser assinalada com uma cerimónia presidida pelo ministro da Defesa. O navio, fundeado na Doca de Alcântara, em Lisboa, e aberto a visitas até dia 11.



Neste blog também já falei que fui umas das privilegiadas em navegar 165 milhas a bordo desta ''menina'', a Sagres... e é apaixonante!




3.2.12

5 meses...

Faz bem recordar e reviver... :)

27.1.12

Monjas, sabiam que existem?

A minha atividade é, sem dúvida, muitas vezes um privilégio! Não digo isto quando ando cheia de trabalho, horários para cumprir e conversas agendadas "para ontem"...


O privilégio é de me cruzar com pessoas tão diferentes, em diversos espaços, com boas conversas e vidas de testemunho, à medida de uma montanha russa...





Esta semana abriram-se os portões de uma comunidade de religiosas, as monjas dominicanas (http://www.monjasoplisboa.com), para eu respirar do ar que ali se vive... O portão encarnado esconde um páteo repleto de cores e sons. As flores garridas puxam-me o olhar e as abóboras espalhadas dão-me a mão até à infância...






Vidas simples mas repletas de interioridade... Por momentos pareceu-me estar a entrar num espaço de outro mundo, tão silencioso, mas em pleno coração da cidade.


De "outro mundo" também são as bolachinhas de aveia, de fabrico próprio, que, como diz a irmã que me recebeu, em jeito de brincadeira "pode provar porque os doces das irmãs não engordam"...






Doce de laranja ou de figo também é encontrado lá à venda e mesmo lúcia-lima para fazer chá... tudo criado no mosteiro...




Uma comunidade de apenas 4 irmãs, em que a mais nova tem 74 anos... (curioso, não?) e que se preocupam há 27 anos com os problemas da sociedade e gostam de os abrir à reflexão. Este ano debruçam-se sobre o "bom uso da crise" e organizam: http://www.monjasoplisboa.com/upload/programa_2011_2012.pdf



No outro lado da quinta, onde em tempos foi uma adega, abre-se um pequeno portão para a capela. De bancos corridos, flores coloridas e luz natural esta capela tem a particularidade de ter peças em madeira de eucalipto e bancos feitos pelas religiosas. Além disso a minha curiosidade aguçou-se ao ver uma cítara, ainda tocada por uma das irmãs, aquando das suas orações diárias.









Aqui fica a partilha de uma visita de trabalho que me valeu uns minutos de descanso e serenidade... :)


17.1.12

Intra...

Há dias assim... (já cantava a música) em que me sinto de outro planeta, em que apenas estou comigo... estarei a ficar louca?




Podem alguns pensar que sim mas eu acho que a cada dia que passa mais sinto falta de momentos de serenidade, em que me sento sem me levantar, em que vejo sem observar, em que sinto como se não sentisse... Difícil de explicar...

Hoje sinto-me "intra"... Poderia percorrer cada célula de mim (não serão muitas em 156cm...) e perceber que hoje estão ligadas sem se falarem, apenas sentem em conjunto. Sou extrovertida por natureza mas hoje há qualquer coisa de intra que falou mais alto...

Os dias de reboliço em que tenho vivido dão-me prazeres imensos de encontro, família, amizade, gratidão, sinceridade e outras maravilhas da vida... Foram dias envolvidos de cores, de crianças, de encontros e novidades, de celebrar a vida!


Hoje comecei por aí... celebrar e valorizar a vida... o que a vida me trouxe e com a qual me queixo tantas vezes... Porque sou uma privilegiada que a cada dia vê o mar e o rio, a luz de Lisboa e seus monumentos, o Cristo Rei que me abraça cada vez que o olho... os simples sorrisos e as palavras de quem conheço bem ou simplesmente o olhar de quem conheço mal.


Aos 17 dias de janeiro o sol brilha lá fora, o frio gela-me as mãos e eu, olho para dentro, como se o dia de hoje tivesse sido tirado para a introspeção... há dias assim, intra!


6.1.12

Ao início do ano...


Desejo um bom ano de 2012 a todos os que por aqui passam...


E início de ano para bom aveirense é logo começar com cavacas e muita animação: as festas de São Gonçalinho, padroeiro do bairro da beira-mar em Aveiro, estão à porta!


A cidade dos canais esquece a crise e pára por estes dias para ''ver cair do céu'' o pão duro envolvido em açúcar. São as cavacas que traduzem promessas.


O bairro da beira-mar já se encontra engalanado e pronto para receber os milhares de fiéis que acorrem a esta festa quer pela fé, pelo divertimento ou, ultimamente até, pelo estatuto que tem adquirido! Lá estaremos...



Neste dia de festança

Pra ti vai nosso carinho

Hás-de ir connosco na dança

Oh rico São Gonçalinho...

24.12.11

Um Santo Natal!

A todos os que hoje passam por aqui recebam os votos de um Santo e Feliz Natal junto das pessoas que mais amam... Que esta noite seja quentinha e preenchida de bons sentimentos! :)

23.12.11

Fleur? :)

Tenho a honra de vos anunciar que ontem, pelas 21h, o espetáculo ALEGRÍA, do Cirque du Soleil, iniciou comigo e com o Fleur a dançar em pleno pavilhão Atlântico.



Fleur, nuestro guía en el mundo de Alegría, es poco fiable, espectral e imprevisible. Con su cetro de luz se pavonea de un sitio a otro siguiendo la corriente a las presuntuosas viejas que lo rodean. Puede parecer divertido y animado, pero el narigudo y jorobado Fleur es en realidad celoso, mezquino e irascible. Es un personaje corrupto hasta la médula pero va ataviado con una vistosa chaqueta de cochero de terciopelo rojo, un sombrero negro de ala y un chaleco de pedrería que apenas logra cubrir la grotesca protuberancia de su barriga.



É uma figura interessante que logo no início aparece com a banda para silenciar o público e me convidou de imediato para dançar... Lá me levantei e sorri... Dancei e ri... Foi um momento hilariante, com muitos olhares posados naquele foco que nos iluminava...



Olhei bem de perto aqueles olhos expressivos, reparei bem na pintura e nas expressões tão simples e cómicas que fazia...


Na minha timidez mas ao mesmo tempo com vontade de saltar para o palco e me revelar... Foi um belo início do espetáculo... o bastão em mãos confiantes e a dança em nome próprio!



ALEGRÍA fica na história! E neste tempo de Natal foi a alegria que reinou...

22.12.11

Falta pouco...

... para ver e sentir ALEGRIA ... :)

O Natal não calha nada bem este ano...

Nem todos os dias gosto ou me revejo... mas hoje gostei de ler e aqui partilho:






O Natal este ano não calha nada bem. Acabámos de trocar de Governo, ainda ignoramos o que pensar dos novos ministros e mal começou o abalo da troika. Estamos desanimados, medrosos, indignados. Se nem sequer sabemos para que lado é o fundo do túnel, como ver se lá há luz? A noite dificilmente poderia estar mais escura, os campos mas frios, a miséria mais palpável. Como ter cabeça para tratar do Natal?


Foi precisamente assim há dois mil anos. Na época as coisas estavam bem piores que hoje. Também havia imensas dificuldades, os impostos dos romanos eram enormes e a situação económica desastrosa. Nem havia lugares na hospedaria. As condições dificilmente podiam ser piores.


Mas as condições nada têm a ver com o Natal. O Natal é outra coisa: «Um anjo do Senhor apareceu-lhes e a glória do Senhor refulgiu em volta deles; e tiveram muito medo. O anjo disse-lhes: “Não temais, pois anuncio-vos uma grande alegria, que o será para todo o povo”» (Lc 2, 9-10).


O mesmo anúncio é feito há dois mil anos, em tempos de paz e de guerra, em épocas de prosperidade e desgraça, em fases calmas e turbulentas. Há dois mil anos que o Natal calha sempre, e por isso calha nas situações mais variadas. Raramente calha bem. Mas o que interessa é que calhe.


O anúncio é sempre igual. A única diferença está na resposta. Sabemos o que aconteceu então: «os pastores disseram uns aos outros: “Vamos a Belém, para ver o que aconteceu e que o Senhor nos deu a conhecer”» (Lc 2, 15). Como será a nossa resposta este ano? Esta é a única dúvida que existe no Natal.


João César das Neves

18.12.11

(A)colher Advento


O frio tem-me tirado a vontade de digitar letras, palavras, frases, histórias... Mas o advento está a acabar e passo a passo chegamos perto da estrela que mais brilha!






(foto da baixa de Lisboa - Natal 2011)


Este tempo de preparação, como assim é chamado, este ano teve sabor agri-doce (será que já disse isto alguma vez aqui?)... O sabor da corrida dos dias, da falta de tempo, das crises que nos sufocam, as palavras que não foram ditas, os sorrisos que ficaram por dar torna tudo mais cinzento...

Mas o calor dos encontros e reencontros com que polvilhámos este tempo dão-nos a graça de vigiar, confiar, exultar, acolher nestas 4 semanas o Deus menino naqueles que são nossos amigos. Partilhámos momentos e alegrias, conversas e presentes (estarmos presentes foi o presente), ofereci presépios e chás de natal.

Acolhi palavras que me aproximaram do presépio, partilhas de quem espera um bebé como Maria há 2000 anos, velas solidárias que iluminam cidades, domingo de famílias, sorrisos de quem passa a vida a fazer sorrir...

Episódios que neste advento passaram a correr mas que aqui ficam eternizados e na minha memória encontram lugar. Porque afinal este tempo é para isso, uma conversão, uma nova versão de cada um...

Um tempo de paragem e de olhar para o lado... e saborear estes últimos dias que faltam para também eu, tu, nós... sermos presépio! :)

7.12.11

Foi duro ouvir...

Fim de tarde, já noite em Lisboa... O escuro do túnel do Metro envolvia cada carruagem bem preenchida no regresso a casa após mais um dia de trabalho...

Há gente de phones nos ouvidos, outros a passar os olhos por um jornal deixado no banco, alguns fingem não estar ali, outros suspiram por chegar ao fim da linha verde...

Ao longe na carruagem ouve-se uma voz sumida... Uma rapariga que não teria mais de 30 anos, envolta em roupas leves e de cachecol cor de laranja... As mãos eram magras, o rosto sumido por alguma dependência mais forte, as olheiras saltavam à vista e o cabelo rodopiava em cima da cabeça.


Percorria cada banco, levantava a blusa que trazia. Mostrava uma pequena barriga e dizia: "Estou grávida e tenho fome... se me puder ajudar..."





A frase ecoava por aquela carruagem, ecoou decerto nos ouvidos de todos... Muitas caras se viraram, a desconfiança pairava no ar e a tristeza no rosto da rapariga... Mães que iam no metro engoliam em seco, os homens olhavam com desprezo e ninguém foi capaz de lhe dizer ou dar nada...



E já na saída da carruagem a mesma rapariga grávida e toxicodependente virou-se para todos e dissem em voz bem alta: "E se eu fosse a Nossa Senhora que estivesse grávida, vocês ajudavam?"



Mais do que a situação ficou-me na memória o sorriso triste com que a rapariga tinha dito esta frase provocatória... Mas, neste advento, muitas são as vezes que me tenho lembrado dela... e de tantas na mesma situação!

10.11.11

"Pequenos nadas..."



"Segunda-feira
trabalhei de olhos fechados
na terça-feira
acordei impaciente
na quarta-feira
vi os meus braços revoltados
na quinta-feira
lutei com a minha gente
na sexta-feira
soube que ia continuar
no sábado
fui à feira do lugar
mais uma corrida, mais uma viagem
fim-de-semana é para ganhar coragem"

Sérgio Godinho - A vida é feita de pequenos nadas

Hoje pela manhã os phones pela rádio trouxeram-me esta música: "A vida é feita de pequenos nadas... " Parece quase uma frase banal, das que se ouvem numa mesa de café ou num banco do autocarro mas, de facto, tenho de concordar e gostar dela!

Foi o tema perfeito para a decisão ser tomada... Andava aqui a "magicar" há tanto tempo, mas sem tempo para o fazer... e agora há que o inventar! Este blog, que andava pouco ou estava quase parado, vai renascer das "quase cinzas". Não será todos os dias, talvez nem todas as semanas, mas vai mudar um pouco... o estilo, o conteúdo, a graça... apenas não muda quem o escreve...

Ou mudará? Há quem diga que mudamos um pouco todos os dias... Mas serei eu que aqui vai escrever, desabafar ou relatar coisas... simplesmente coisas, conversas, episódios, momentos... "pequenos nadas"! :)

7.10.11

E... já atravessei a ponte...

Há mais de um mês que não vinha aqui a este espaço... Não me esqueci ainda das passwords e entrei à primeira! :)
Há quem diga que passei para a outra equipa, eu apenas digo que atravessei a primeira de muitas pontes num caminho em conjunto!

Numa nova fase da minha vida e depois de uma grande festa e 7 dias de pleno paraíso estou de volta ao mundo real...

Por aqui partilho um recorte do jornal Correio do Vouga desta semana, no âmbito da semana nacional da educação cristã e onde o tema central é a família!
Nesta nova fase pareceu-me fazer todo o sentido responder à questão: "a família tem futuro?" E aqui partilho...

2.9.11

O caminho continua...

Agora é tempo de atravessar a ponte! :)