25.2.10

"Partilhar é uma arte"

Esta foi uma frase dita pelo Presidente da Caritas Portuguesa aquando do grande caos que assolou a Madeira. Gera-se uma onda de solidariedade e todos tentam ajudar, tornando-se assim artistas da arte de partilhar e necessários na sua forma de ajudar aqueles com que nada ficaram. Mas mais que ajudar fala-se em partilhar.

Gosto deste verbo! Mas partilhar sendo uma arte nunca me tinha ocorrido... A palavra arte ligo quase automaticamente a tudo o que seja cultura: música, cinema, pintura, escultura, dança... Mas afinal partilhar pode tornar-se numa arte se assim quisermos ver...

No dicionário arte quer dizer técnica ou habilidade... então partilhar pode-se tornar numa habilidade ou técnica? Num jogo simples digo que partilhar é partilho + ar, partilho o ar. Então afinal partilho muito mais do que aquilo que imagino... Passamos a vida a partilh(ar) sem nos darmos conta ou autorização.

Quando entramos num transporte público, por exemplo, há diversas coisas que partilhamos... (claro que ninguém faz ideia, nem sequer se dá ao trabalho de pensar nisto...) É o mesmo ar que respiramos, um olhar discreto, um sorriso esboçado, um odor que paira, uma conversa ao telemóvel, o título do livro que se lê, o jornal gratuito que é deixado no assento, uma conversa com o colega do lado...
Uns simples "com licença", "perdão", "obrigado" também, por vezes, ainda se ouvem ser partilhados. Outra coisa que muitos partilham são os irritantes toques de telemóvel, parecendo fazer um concurso do "toque mais foleiro que já ouviu..." Ou então a música insuportável que sai de um qualquer "phone" em volume máximo ou de um i-pod que parece sucar o silêncio e acabar com a paciência de quem se cruza...

Partilhar? Sim, tudo isto partilhamos... e nem fazemos ideia! A forma como nos vestimos, como andamos, como olhamos, nos movimentamos e até como gesticulamos é partilhado com os outros, simples desconhecidos ou pessoas mais próximas...

Dá que pensar, não?

23.2.10

Sono acumulado...



"... é boa ideia investir em horas dormidas, porque os créditos acumulados vão servir mais tarde."

Para ler
aqui.

16.2.10

Mergulhar...

...na Quaresma através da serenidade própria de Taizé.



Ficam as imagens do encontro ibérico de Taizé no Porto. Porque Taizé não se explica, sente-se!

14.2.10

Neste dia...




Simplesmente...

Dá-me um abraço que seja forte
E me conforte a cada canto
Não digas nada
que o nada é tanto
E eu não me importo
Dá-me um abraço fica por
perto
Neste aperto tão pouco espaço
Não quero mais nada, só o silêncio
Do
teu abraço
Já me perdi sem rumo certo
Já me venci pelo cansaço
E estando
longe, estive tão perto
Do teu Abraço
Dá-me um abraço que me desperte
E me
aperte sem me apertar
Que eu já estou perto abre os teus braços
Quando eu
chegar
É nesse abraço que eu descanso
Esse espaço que me sossega
E quando
possas dá-me outro abraço
Só um não chega

12.2.10

A vida são 2 dias...

Há quem diga que o Carnaval são três! :)

10.2.10

Smiiiile!

Hoje vale a pena ler a edição do jornal gratuito Metro... uma edição especial dedicada ao grande mistério de "ser feliz"!
Era ver logo pela manhã as pessoas a passarem os olhos pelo jornal e a esboçarem sorrisos... foi lindo! Porque o que faz falta é animar a malta...

8.2.10

(En)Cont(r)ar

O fim-de-semana foi embalado por conversas ao telemóvel com vozes familiares que já não ouvia há muito... fazem-me sorrir e aconchegar no meu mundo.

Outra voz que me atirou bem contra a cadeira... a voz de Carminho, ao vivo e a cores, que me fez transportar pelos trilhos do fado, num ritmo de verdadeira alfacinha. Gostei! Parabéns ao teatro aveirense pela iniciativa!

E o dia de sábado marcado pela queda livre de aventuras, desde a festa do livro ao passeio na cidade, à conversa com desconhecidos ou em telefonemas inesperados, dos encontros a um jantar com delícias de jovens, palavras sábias e sorrisos de encantar...

São dias preenchidos de tudo e de nada que vou valorizando a cada dia da minha existência... E agora recordo que me perguntavam há dias porque escrevia no meu blog certas coisas... estas podiam ser umas delas... apenas escrevo para aliviar os pensamentos, para que fique escrito em algum lado se alguém quiser ler e já que podem ler, que ao menos vos faça pensar e olhar para trás valorizando cada minuto e cada segundo em que são acompanhados por sorrisos de vida!

5.2.10

Lusitana(mente)

Esta minha sexta-feira tem uma música diferente... :)

3.2.10

Sugestão:

Ciclo de palestras transmitido pela TV online da diocese de Aveiro

Existe o direito a morrer?” é o tema da primeira palestra deste ciclo, pelo professor Daniel Serrão, que se realiza hoje, 3 de Fevereiro, pelas 21h00, no auditório do Centro Universitário Fé e Cultura, CUFC.


Este conjunto de palestras será realizado por várias personalidades de renome na cena nacional ou internacional e nasce de uma parceria entre o Instituto Superior de Ciências Religiosas de Aveiro, ISCRA, e o CUFC. São “Tertúlias à Quarta” pois serão realizadas na primeira Quarta-feira de cada mês.

Todas as tertúlias serão transmitidas no canal de TV Online da Diocese de Aveiro (http://www.facebook.com/l/7d634;www.diocese-aveiro.pt/tvonline.asp) e posteriormente ficarão acessíveis no canal no Youtube da Diocese de Aveiro (http://www.facebook.com/l/7d634;www.youtube.com/dioceseaveiro).

2.2.10

Nas nuvens...

Este foi um filme que preencheu o serão numa noite destas... Ao princípio ia sem grande expectativa, parecia-me mais uma história banal, daquelas comédias que servem para entreter e passar duas horas a esboçar sorrisos...

Mas não! Enganei-me... "Up in the air" preencheu-me o serão e a mente durante algumas horas... Não vou aqui contar a história, não teria piada para quem aqui vem ler... mas posso apenas dizer que faz pensar! Por trás da comédia, diga-se um tanto trágica de um consultor que "passa a vida" a fazer viagens para fazer demissões, surgem valores intrínsecos à família e ao bem estar pessoal. Afinal para quê viajar tanto, dar-se por inteiro à carreira se, depois, não há algo que conforte e aqueça o coração?

Dá que pensar como é bom ter um meio termo, conseguir alcançar um equilíbrio e satisfazer os nossos objectivos primeiros pois é sempre bom não os esquecer e de maneira nenhuma deixá-los cair... porque senão lá vai a nossa felicidade e uma vida passada a correr sem atingir o que é realmente importante!

Depois deste post escrito ouço a notícia que nos deixou Rosa Lobato Faria. Nunca a conheci pessoalmente. Via-a na televisão, ouvia-a a recitar poesia, gostava dos poemas que escrevia... Dela aprendi a sensibilidade da leitura e o gosto pela representação!